Anticoncepcional: mitos e verdades sobre o método mais usado pelas mulheres

Desde 1960, a pílula anticoncepcional tem papel importante no comportamento sexual e social das mulheres. Através dela, é possível prevenir a gravidez – se tomada conforme orientação médica, seguindo pausas e horários corretamente. Ainda assim, é importante pontuar que o uso do anticoncepcional não elimina a necessidade do uso de preservativo, pois precisamos nos cuidar e evitar o contágio por doenças sexualmente transmissíveis.
+ Infecções Sexualmente Transmissíveis: guia básico para prevenção
Ainda que a pílula anticoncepcional esteja no mercado há muitos anos, ainda existem muitas dúvidas acerca da sua eficácia, efeitos colaterais e modo de uso. Por ser uma medicação com alta dosagem de hormônios, é preciso sempre consultar um médico ginecologista antes de iniciar o tratamento. Durante o processo, alguns exames podem ser solicitados ao paciente a fim de encontrar a medicação que melhor se adapta ao seu corpo.
Neste artigo, nós separamos as principais dúvidas a respeito dos anticoncepcionais, mas ressaltamos a importância de sempre consultar um profissional especialista. 

O que é o anticoncepcional?

O anticoncepcional é uma medicação feita à base de hormônios, que pode ser tomada por mulheres através de via oral ou injetáveis. Quem deve avaliar a melhor opção para cada organismo é o ginecologista. O ativo garante 99% de proteção contra a gravidez indesejada, mas deve ser combinado com o uso de preservativo para prevenir doenças sexualmente transmissíveis. 
Seu papel é inibir a ovulação, ou seja, a mulher não entra no período fértil. Assim, mesmo que haja ejaculação no canal vaginal durante o sexo, os espermatozoides não vão encontrar óvulos para a fecundação. Dessa maneira, evita-se a gravidez. A pílula também impede a dilatação do colo do útero, o que também faz diminuir a chance de entrada dos espermatozoides.

O anticoncepcional diminui a libido?

A resposta para essa pergunta não é tão simples: é possível, mas não significa que vai acontecer com todas as mulheres. Em algumas mulheres a pílula pode sim afetar o desejo sexual feminino, pois se trata de um medicamento com base hormonal. Algumas alterações fisiológicas e comportamentais podem ocorrer e as mulheres podem sentir uma diminuição do desejo sexual. Isso ocorre porque as pílulas diminuem a oscilação hormonal que acontece no corpo da mulher, estabilizando os picos do desejo sexual. Nesse caso, é importante entender com o seu médico qual é a melhor medicação para o seu organismo. 
+ Síndrome do ovário policístico: saiba se você tem

Posso ficar grávida se errar o horário do anticoncepcional?

Se você teve relações sexuais durante o período em que esqueceu de tomar o anticoncepcional, é possível estar mais vulnerável a uma gravidez. A recomendação é sempre seguir o mesmo horário para pílulas com pausa ou uso contínuo. Se você se esqueceu de tomar uma pílula da cartela, tome-a assim que se lembrar, desde que se respeite o período máximo de até 12 horas do horário habitual de tomada. Se esse período for maior que as 12 horas, consulte um médico para receber a orientação de acordo com o seu medicamento, que pode variar.
É importante ressaltar que nenhum método contraceptivo é 100% eficaz. As orientações sobre o que fazer em caso de esquecimento servem para minimizar os riscos e, mesmo quando seguidas corretamente, ainda há possibilidade de ocorrer a gravidez.

Qual a relação do anticoncepcional com a trombose?

A presença do estrogênio é a principal responsável pelos casos de trombose relacionados ao uso do anticoncepcional. Atualmente, as pílulas combinadas mais modernas trazem doses baixas do estrogênio, se comparadas às versões iniciais, mas ainda assim apresentam riscos. 

Na faixa dos 20 a 30 anos, a trombose pode acontecer em quatro ou cinco a cada 10 mil mulheres, já com o uso da pílula esse número aumenta de duas a quatro vezes. Esse risco, porém, ainda é considerado baixo. A maioria das ocorrências se dá nos primeiros meses de uso do anticoncepcional e não quando é interrompido. Além disso, cada vez que a mulher deixa de utilizar e volta, esse risco cresce.

Usar o mesmo anticoncepcional por muito tempo perde o efeito?

Não. O anticoncepcional tem a mesma eficácia durante toda a sua vida útil. O que acontece é que, durante a vida da mulher, os seus hábitos podem mudar e impactar diretamente no método anticoncepcional. Por exemplo: a associação de alguns medicamentos, como antidepressivos, e o surgimento de patologias como diabetes e hipertensão, podem comprometer a eficácia. É preciso consultar um médico ginecologista sempre que uma nova medicação for introduzida, para entender qual é a interação dela com o método contraceptivo.

Por que fumar e usar anticoncepcional não é recomendado?

O tabagismo associado ao uso de anticoncepcional aumenta as chances de trombose e ocorrências cardiocirculatórias. De acordo com a OMS, por exemplo, mulheres que estão acima dos 35 anos e fumam não devem utilizar nenhum tipo de medicamento que possua estrogênio. Nesse caso, orienta-se o uso de minipílulas com progesterona isolada.

+ Como funciona o tratamento para fumantes?
Ficou com alguma dúvida que não foi respondida aqui? Escreva pra gente! Não esqueça de compartilhar o artigo com amigas e familiares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *