Hipertensão arterial: os efeitos da pressão alta em crianças, adultos e idosos

A cada 100 brasileiros, 30 sofrem de pressão alta. Em números absolutos, isso significa que o país tem aproximadamente 63 milhões de hipertensos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). 

No artigo de hoje, você vai ver de que forma a hipertensão afeta o organismo humano, seja crianças, adultos ou idosos. 

O beabá

A função do coração é bombear sangue para todo o corpo. Quando esse sangue passa pelas artérias, faz força contra as paredes dos vasos. Essa força é o que se chama de pressão arterial. Nos hipertensos, a força exercida contra as paredes das artérias é tão grande que elas vão ficando cada vez mais rígidas e estreitas. Os danos provocados facilitam o acúmulo de gordura e a formação de coágulos que podem entupir as artérias cardíacas (provocando infarto) ou se instalar em vasos cerebrais, desencadeando um Acidente Vascular Encefálico (AVE).

Em todo o mundo, a pressão alta é a causa da morte de cerca de 10 milhões de pessoas por ano. 

14/9

A pressão arterial acima de 14/9 (constatada mais de uma vez e em diferentes situações) é considerada hipertensão. Esse número é a forma popular do padrão 140/90 mmHG (milímetros de mercúrio). Nesse caso, o 14 se refere à pressão máxima (sistólica), feita no momento em que o coração se contrai. Já o 9 é relativo à pressão do movimento de diástole, quando o coração relaxa. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o nível ideal da pressão sanguínea é 120/80 (ou 12/8).

Crianças, adultos e idosos

Tal qual em qualquer faixa etária, a pressão alta em crianças age na surdina. Por isso é chamada de “mal silencioso”. As pesquisas indicam que elevação da pressão arterial na infância representa fator de risco para que a doença se manifeste na vida adulta. Filhos de pais hipertensos devem redobrar a prevenção desde cedo, pois a doença é hereditária, crônico-degenerativa e pode atacar gravemente o coração, cérebro, os rins e membros.  

Nos primeiros anos de vida, a pressão alta pode ser a manifestação secundária de alguma doença de base, especialmente as renais, endócrinas, cardíacas e pulmonares. Prematuros e crianças que nascem com pouco peso também estão mais sujeitos a esse tipo de pressão arterial secundária.

Seja em bebês, crianças, adolescentes, adultos ou idosos, a obesidade, o sedentarismo, o alto consumo de sal e a baixa ingestão de potássio são fatores que contribuem para o surgimento da doença. Com o avançar da idade, outros hábitos típicos aumentam o perigo, como o tabagismo, o alcoolismo e o consumo de outras drogas (incluindo anabolizantes).

Sintomas

A pressão alta raramente causa sintomas. Por isso, os índices devem ser aferidos com regularidade nas consultas médicas de rotina.  Os sinais tentem a aparecer quando as complicações já estão instaladas. Nesses casos, os mais comuns são dores de cabeça, tontura, falta de ar, zumbido no ouvido, visão embaçada, sangramento nasal e cansaço.

Tratamento 

Quanto mais precoce for o diagnóstico, melhor será o efeito do tratamento. No caso das crianças com hipertensão arterial secundária, é possível curar o problema ao controlar a doença de base. Nos outros casos (que são a maioria), são essenciais as mudanças no estilo de vida: 

• Controle do peso corporal
• Prática de exercícios
• Dieta balanceada
• Reduzir a ingestão de sal
• Evitar alimentos embutidos (salsichas, linguiças…)

Se tais medidas não forem suficientes, pode haver a necessidade de tratamento farmacológico, que deve ser indicado somente pelo médico.

Cuide dos seus rins 

O aumento da pressão arterial causa lesões nas artérias renais, que vão perdendo progressivamente a capacidade de filtrar o sangue. Com o tempo, isso pode se transformar em insuficiência renal. 

Por isso, não subestime a hipertensão!

Cuidar de você. Esse é o plano. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *