Saúde mental: como acolher os sentimentos de medo e melancolia durante a pandemia?

A pandemia do Coronavírus trouxe luz para uma epidemia silenciosa, mas que vem crescendo consideravelmente nos últimos anos: a era dos transtornos psicológicos. Eles são caracterizados por uma alteração de tipo emocional e/ou comportamental, que pode dificultar a interação da pessoa no meio em que cresce e se desenvolve, em graus diferentes. Hábitos prejudiciais à saúde, fatores genéticos, perdas, eventos impactantes na vida do paciente, sofrimentos físicos e psíquicos são algumas causas de doenças psicológicas. Existem diversos tipos e níveis de transtornos psicológicos. Os mais comuns, atualmente, são: depressão, ansiedade, transtornos alimentares, de personalidade, e transtornos relacionados ao estresse, como o Burnout.
Seja qual for a patologia diagnosticada, é importante pontuar que todas elas precisam de empatia e ambientes seguros para que o paciente possa evoluir e se sentir acolhido pelas pessoas ao redor. A atenção e respeito aos transtornos psicológicos podem ajudar na melhora do tratamento e do quadro. 
Para entender como os sentimentos de medo e melancolia se desenvolvem no período da pandemia, leia o artigo e procure um profissional especialista caso sinta que os seus sintomas estão se agravando e atrapalhando a sua rotina. Ouça os sinais do seu corpo e acolha os seus sentimentos. 

Por que a pandemia trouxe sentimentos de medo e melancolia?

A pandemia transformou a rotina não só dos brasileiros, mas de todo o mundo. Desde março de 2020, o dia a dia não é mais o mesmo. Fatores como distanciamento social e a vida mais reclusa acentuaram o sentimento de medo e melancolia. Na televisão, muitas notícias sobre o número crescente de mortos aumentou a sensação de ansiedade e desamparo. Dentro de casa, o contato apenas virtual torna a rotina massiva. Com as medidas restritivas de distanciamento, vivenciamos uma emoção muito semelhante ao luto: sentimos que perdemos a nossa liberdade e passamos por fases. Ainda assim, é preciso treinar a mente para compreender que esse é um momento atípico, que irá passar. Aqui também ressaltamos a importância de cumprir as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para garantir que estejam seguros e que assim possamos garantir a segurança dos demais.
Abaixo, confira algumas causas da sensação de medo e melancolia durante a pandemia:
> Falta de contato social;
> Mudança de rotina;
> Menos estímulos ao cérebro;
> Contato constante com a morte;
> Consumo de notícias ruins;
> Ansiedade por receio de contágio; 
> Medo de perder amigos e familiares;
> Sensação de perda da liberdade e da vida.

Como acolher os sentimentos de medo e melancolia durante a pandemia?

Primeiro é preciso compreender que você não está sozinho. Se sentir aflito e melancólico nas condições em que estamos vivendo é algo normal. Seu dia a dia, sua dinâmica pessoal, seus momentos de lazer e o seu contato social mudou. Não se julgue, deixe que os sentimentos venham e vão, e veja essas sensações como passageiras.
É comum acharmos que somos estranhos, diferentes e nos comparar com pessoas próximas. Por isso precisamos de um movimento de acolhimento e cuidado consigo mesmo para compreender e lidar com as nossas emoções, que são complexas e não se encaixam em padrões. Cada pessoa tem uma bagagem única, repleta de altos e baixos, histórias de vida diferentes e caminhos distintos. Julgar a si mesmo é uma forma de realçar o medo e a melancolia. Cuide de você como você cuidaria de uma pessoa querida. 

Outro ponto importante é estimular hábitos saudáveis para uma rotina mais leve. Especialistas confirmam que uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos são aliados potentes em busca de uma vida mais saudável, física e psicologicamente. É claro que, num momento tão delicado, é necessário considerar as individualidades de cada um. Por essa razão, não se culpe caso você não seja adepto à academia, por exemplo, encontre atividades que fazem sentido para você e tragam prazer: uma caminhada pelo bairro, pular corda, pintar, desenhar ou aprender um novo idioma. Faça o exercício de se perguntar: o que eu realmente gosto? O que me traz uma sensação de preenchimento e identificação? Ainda que você não tenha todas as respostas, experimente diversas delas até encontrar algo que faça bem para a sua saúde mental. E lembre-se: caso a inspiração não apareça, tente mesmo assim.
Estabelecer limites para a vida virtual também é um hábito que pode fazer muito bem para o bem-estar. Passar horas em aplicativos pode intensificar a sensação de melancolia e solidão, além de prejudicar a produtividade do trabalho e outras atividades de lazer. Que tal estipular horários para usar as redes sociais? Assim você vai sentir que está sendo mais produtivo durante o dia. 
Caso sinta que os sintomas estão atrapalhando a sua rotina e bem-estar, procure um profissional especialista para uma avaliação médica. 
Para dúvidas ou sugestões, entre em contato com a gente! 😊

Read More

Dia Mundial do Rim: mude hábitos e aprimore a sua saúde


O corpo humano é uma máquina complexa e fascinante, com diversas ramificações que garantem o seu funcionamento e a sua vitalidade. Dentro dele, há uma série de órgãos que impulsionam o bom funcionamento da nossa saúde, e olhar com cautela para cada um deles garante que nossa qualidade de vida se fortaleça. Um desses órgãos é o rim. 
O dia 11 de março, aliás, foi a data escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para celebrar a importância do órgão. Neste ano, a Sociedade Brasileira de Nefrologia tem como foco chamar a atenção da população acerca da seriedade da doença renal crônica (DRC), que compromete funções importantíssimas comandadas pelos rins, tais como a regulação da pressão arterial, controle de sal no organismo, equilíbrio de substâncias que previnem a anemia, doenças ósseas e mais. 
Tendo isso em mente, nós, da Unimed Cascavel, gostaríamos de convidar os leitores a refletirem sobre alguns hábitos do dia-a-dia. Eles estão equilibrados? Você tem atitudes que impulsionam a saúde vital dos seus rins? Pense e reflita: algumas ações podem mudar sua vida e evitar o desenvolvimento de uma doença silenciosa e extremamente prejudicial à saúde:
Como está a sua relação com o álcool?
Você sabia que os rins são responsáveis por regular a quantidade de líquidos em nosso corpo? Além disso, eles também produzem hormônios que controlam a pressão arterial. Dessa forma, quando o consumo de álcool está muito acima do normal, o fígado perde sua capacidade de produzir glicose, o que aumenta a pressão sanguínea e, por consequência, desencadeia a doença renal crônica. 
Consumir bebidas alcoólicas com responsabilidade é uma das formas mais eficientes de evitar o desenvolvimento de problemas decorrentes do abuso dessa substância.
Sua dieta tem uma quantidade equilibrada de sal?
Consumir uma quantidade diária de sal muito maior do que a recomendada (em torno de 5 a 6 gramas por dia) é prejudicial para os rins. Isso porque eles são forçados a trabalhar mais intensamente para darem conta da carga brusca de retenção de água que o hábito desencadeia. Para tanto, é fundamental evitar o consumo desenfreado de alimentos industrializados e embutidos, dando preferência para o preparo de ingredientes frescos em casa.
Você bebe uma quantidade razoável de água por dia?
Cálculo renal e pedras nos rins representam dores extremamente desconfortáveis. Beber uma boa quantidade de água diariamente fortalece a filtração da urina, eliminando cristais que possam ficar retidos, prevenindo a desidratação e dosando a quantidade de creatina no sangue. 
Você tem se exercitado e controlado o ganho de peso?
Parece que esse tipo de conselho é algo mais do mesmo, mas manter uma dieta balanceada, praticar exercícios físicos regularmente e evitar perdas e ganhos muito bruscos do peso corporal é uma das maneiras mais eficientes de manter a boa saúde dos rins. Isso porque o acúmulo de gordura aumenta o tamanho da área a ser irrigada pelo sangue, sobrecarregando as atividades dos órgãos. Além disso, essa equação também afasta o risco de desenvolvimento de diabetes e hipertensão, doenças que promovem o “burnout” dos rins. 
A automedicação é um hábito constante na sua vida?
Quantas vezes você consulta um médico de confiança para tratar de problemas de saúde e quantas vezes acaba se automedicando para resolver determinados problemas? A automedicação é uma manobra extremamente arriscada, já que o excesso de anti-inflamatórios pode, por exemplo, provocar danos ao funcionamento dos rins. Sempre que algum problema de saúde surgir, o acompanhamento médico, junto à medicação certa pelo tempo certo, ajuda a prevenir a sobrecarga dos órgãos.
Os conselhos são simples, mas é na simplicidade que reside a prevenção e a cura de grande parte desses problemas. Ficou com alguma dúvida? Escreva para a Unimed, pois temos o maior prazer em ajudar!
Fontes: Sociedade Brasileira de Nefrologia, Instituto de Nefrologia, Hospital Nove de Julho Pfizer e Ministério da Saúde

Read More