Fisioterapia respiratória: importância na pandemia de Covid-19

Uma dos principais desafios entre os pacientes que desenvolvem quadros graves de Covid-19 é superar as consequências respiratórias. O pulmão é o órgão mais frequentemente maltratado pelo vírus. Mesmo após curado da infecção, o organismo pode ficar com sequelas que dificultam a respiração, normalmente devido à formação de fibroses (como se fossem cicatrizes) nos pulmões, o que dificulta a capacidade do órgão se expandir e, consequentemente, aproveitar o oxigênio.
Além de serem os mais afetados, os pulmões também são os que mais tempo levam para se recuperar. É por isso que profissionais da saúde reforçam o papel da fisioterapia respiratória durante e depois da Covid. Especialistas chegam a dizer que, dependendo da gravidade da doença, o paciente pode demorar de três a seis meses para ter uma recuperação pulmonar satisfatória. 

Fisioterapia respiratória​​​

Este conjunto de técnicas pode ser preventivo ou curativo. A fisioterapia respiratória consiste em exercícios de suporte para que o paciente respire melhor, possibilitando as trocas gasosas de forma adequada e, consequentemente, permitindo que ele consiga realizar atividades do dia a dia sem dificuldades. As técnicas mobilizam as secreções, melhoram a oxigenação do sangue, promovem a reexpansão pulmonar, diminuem o trabalho respiratório, reeducam a função respiratória e previnem complicações. 
Em pacientes com confirmação de Covid-19, a fisioterapia respiratória começa no momento da hospitalização, pois isso pode evitar a perda da função pulmonar. As técnicas iniciais incluem tratamentos não invasivos para aumentar o suporte de oxigênio, diminuindo a fadiga dos pulmões. Em seguida, o fisioterapeuta avalia os pacientes individualmente e propõe a cada um deles um plano terapêutico específico corporal de forma sistêmica. A intenção é dar ao paciente o condicionamento necessário para agir sem precisar do suporte de oxigênio.

Alta hospitalar 

Antes de o paciente sair do hospital, exames avaliam se há sequelas relacionadas ao comprometimento pulmonar. Alguns saem com a necessidade de medicações temporárias, a exemplo de broncodilatadores, corticoides e anticoagulantes. Tudo isso é levado em conta na definição da fisioterapia mais adequada. Podem ser prescritos exercícios respiratórios (expansão pulmonar), além de atividades aeróbicas e de fortalecimento. Mas também há os casos de pacientes mais graves que precisam de sessões de Ventilação Não Invasiva (VNI) em casa. Mesmo em domicílio, essas situações devem ser acompanhadas por um profissional.

Quando é possível fazer sozinho?

Casos mais graves exigem obrigatoriamente a presença e um fisioterapeuta. Já para os quadros menos sérios, a recomendação é realizar pelo menos uma avaliação do estado pós-internação com um profissional de fisioterapia, para que ele direcione os melhores exercícios e a frequência com que devem ser feitos. Pilates, ioga e outras modalidades que trabalham a respiração podem funcionar como um complemento, mas o correto é conversar com um especialista para que ele dê o aval e passe orientações de acordo com a realidade de cada paciente.

Sugestão de exercício seguro e caseiro 

  • Escolha uma cadeira reta, de base larga e segura.
    • Sente-se, mantenha os pés bem alinhados e as costas coladas ao encosto da cadeira.
    • Inspire profundamente enquanto eleva os braços (até as mãos ficaram na altura dos ombros) e expire enquanto os abaixa.
    • Faça de dez a 20 repetições.

Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas suas redes sociais.
Cuidar de você. Esse é o plano.

Read More

Lombalgia: o que é e como prevenir a incômoda dor nas costas

A lombalgia é um problema muito comum entre pessoas de diversas faixas etárias, acometendo de jovens a idosos. Popularmente chamada de dor nas costas, a lombalgia atinge 90% das pessoas em pelo menos um momento de suas vidas. Além disso, é a segunda causa mais comum de idas ao médico, ficando atrás apenas do resfriado comum. Descubra neste artigo da Unimed Cascavel quais são as causas, tipos e maneiras de tratar a dor lombar.

O que é lombalgia?

Define-se como lombalgia as dores que ocorre na região lombar inferior, sendo a lombociatalgia a dor que se inicia na lombar e se irradia para glúteos e também até a região posterior da coxa, seguindo a distribuição do nervo ciático. É um problema que, caso não seja avaliado e tratado adequadamente, pode causar severa incapacidade e complicações na mobilidade, além de episódios intensos de dor. 

Quais os principais tipos?

A lombalgia pode ser aguda, com duração de até três semanas, ou crônica, caso o problema persista por mais que três meses. Saiba mais sobre os dois tipos:

Dor lombar aguda

Como dito anteriormente, nove em cada dez adultos terão um episódio de lombalgia aguda em determinado momento de suas vidas. O pico de incidência é da faixa entre 33 e 55 anos de idade, considerando que as lombalgias agudas não são necessariamente provocadas por algum fator específico e ocorrem, em sua maioria, após um esforço físico intenso.
+ Como cuidar de torções e músculos inflamados

Dor lombar crônica

Já a dor lombar crônica acomete pacientes de todas as idades, mas possui um pico entre os 40 e 70 anos. Segundo pesquisas relacionadas, cerca de 20% das pessoas que apresentam lombalgia aguda acabam evoluindo para a crônica, com sintomas que persistem por até um ano. Nestes casos, há a necessidade de uma consulta médica para avaliação da necessidade de realizar exames complementares para verificar as estruturas da coluna vertebral e outros possíveis diagnósticos.

Causas da lombalgia

Devido ao fato de a coluna vertebral possuir um grande número de estruturas como ligamentos, tendões, ossos, músculos e articulações, a dor na região lombar pode ser provocada por diversos fatores. Confira as principais causas:

Lesões ocasionais

Muitas dores na lombar surgem a partir de episódios de lesões nociceptivas, como por exemplo ao carregar muito peso ou realizando movimentos repetitivos. Essas lesões podem atingir o disco intervertebral, a musculatura da coluna, as facetas das articulações e também os nervos e suas raízes.
+ Conheça as principais doenças que acometem os brasileiros

Postura inadequada

O mau jeito ao se sentar no trabalho, no sofá, dirigindo e até mesmo dormindo pode influenciar diretamente na saúde da região lombar. A má postura pode causar até mesmo hérnia de disco, caso não seja corrigida e continue exercendo sobrecarga na musculatura, discos e articulações da coluna.

Dor ciática

Chamada de citalgia, a dor ciática é a dor que percorre o nervo ciático, atingindo consideravelmente a região da lombar. Muitas vezes, a citalgia tem origem na raiz nervosa da coluna vertebral, mas também pode ser um sinal de inflamação do próprio nervo ciático.
+ Os embalos de uma rotina saudável: dançar é ótima opção de atividade física em casa

Degeneração discal

A espondiloartrose, ou degeneração discal, é causada na maioria das vezes pelo envelhecimento natural, de forma que os discos se enfraquecem e provocam dores, diminuição da força muscular e também da flexibilidade da coluna vertebral. Porém, o hábito de levantar cargas pesadas na coluna é outro fator agravante para a espondiloartrose, podendo ocorrer em pessoas mais jovens.

Problemas emocionais

Questões emocionais e psicológicas também podem atingir de forma severa a região lombar e provocar dores. Isso acontece pois o estresse faz com que os músculos e nervos fiquem tensionados, podendo causar incômodos e sintomas típicos da lombalgia, além de acometer outras regiões da coluna.  

Tratamento e prevenção

O tratamento da lombalgia tem como principal objetivo amenizar a dor do paciente e devolver a qualidade de vida e bem-estar ao mesmo. Inicialmente, são utilizadas diversas medicações como analgésicos, antiinflamatórios, corticoides e opioides, buscando aliviar os sintomas e desenvolver a habilidade funcional da região.
+ Esportes aquáticos: o que a natação e a hidroginástica podem fazer pelo seu corpo
Após o controle dos sintomas, é altamente recomendado que a reabilitação siga com alongamentos, exercícios de fortalecimento e reeducação postural para que a coluna se mantenha saudável, sem o retorno das dores e incômodos.
Assim como no tratamento, a melhor forma de prevenir a lombalgia é adotando bons hábitos como a prática regular de exercícios – fortalecer a região lombar e abdominal é um fator primordial para evitar episódios de lombalgia -, atenção na postura ao se sentar, alongamentos e controle do peso corporal.

Read More

Quais alimentos devemos comer para combater o refluxo?

Uma das doenças digestivas mais comuns, o refluxo gastroesofágico atinge pessoas de todas as idades, provocando sintomas desagradáveis e levando a complicações ainda mais graves para a saúde. Segundo pesquisas, todos os meses cerca de 20% dos brasileiros sofrem com o refluxo. E o que fazer para amenizar os sintomas e combater a doença?
A alimentação saudável é um fator chave para o controle do refluxo e para trazer bem-estar para as pessoas que são atingidas por essa complicação do trato digestivo. Descubra neste artigo o que indivíduos com refluxo devem comer para amenizar os sintomas da doença e outras informações sobre o assunto.  

O que é refluxo?

O refluxo gastroesofágico é o movimento em que os ácidos presentes no estômago voltam pelo esôfago, ao invés de seguirem o processo de digestão. Esse retorno involuntário dos alimentos e líquidos do estômago provocam diversos sintomas como azia, queimação, dores torácicas, entre outros.
Caso não seja tratado adequadamente, o refluxo gastroesofágico pode causar danos graves ao organismo em médio e longo prazo. Por conta da alta presença de ácido na regurgitação, as cicatrizes causadas no esôfago podem resultar em tosse crônica, estreitamento do órgão e câncer.
+ Conheça as principais doenças que acometem os brasileiros
Há também a esofagite, que também é provocada pela inflamação dos ácidos presentes no conteúdo do estômago. Ao entrarem em contato com a mucosa do esôfago, os ácidos provocam lesões que podem resultar na esofagite.

Quais as causas?

Uma das causas mais comuns para o surgimento do refluxo gastroesofágico são alterações no esfíncter, uma estrutura muscular de fibras circulares em forma de anel e que funciona como uma válvula para impedir o retorno dos alimentos ao esôfago. Se o esfíncter não se fecha adequadamente, líquidos, comida e ácido do estômago vazam de volta, provocando o refluxo.
A hérnia hiatal também é uma causa para o refluxo. É uma condição na qual parte do estômago se movimenta por cima do diafragma, músculo que separa a cavidade abdominal da torácica.
Outro fator que contribui para o aparecimento do refluxo gastroesofágico é a gravidez. Durante a gestação, o bebê pode colocar pressão excessiva na válvula esofágica, provocando a liberação de ácido e, consequentemente, causando o refluxo.
+ Gastrite e úlcera: saiba quais mudanças nos seus hábitos alimentares vão te ajudar com esse desconforto
Além disso, consumo de álcool, tabagismo, obesidade e até mesmo a utilização de alguns medicamentos como ibuprofeno, relaxantes musculares e remédios para pressão arterial também podem ser causas para o refluxo em certas pessoas.

O que devemos comer?

Como dito anteriormente, uma alimentação balanceada e nutritiva não apenas ajuda a controlar os sintomas, mas também pode prevenir o refluxo. Ao elaborar sua dieta, o indivíduo deve sempre dar preferência aos alimentos integrais e aumentar sempre a ingestão de fibras.
+ Obesidade: o que é, fatores de risco, tratamento e prevenção
Frango, atum, salmão e carnes magras são as melhores escolhas para compor as proteínas da dieta para combater o refluxo. Iogurte e kefir (um tipo de leite fermentado com muitos benefícios para a saúde) são excelentes para equilibrar as bactérias saudáveis do estômago, ajudando na digestão dos alimentos.
As gorduras saudáveis, como óleo de côco e abacate, também são grandes aliadas para amenizar os sintomas do refluxo. Legumes como alcachofra, pepino, abóbora e aspargo possuem propriedades que também ajudam a cuidar do trato digestivo. Amêndoas, água de côco, vinagre de maçã, gengibre, salsa e erva-doce são outros alimentos que não devem faltar na dieta para pacientes com refluxo gastroesofágico.
É importante lembrar que comer muito nas refeições piora significativamente os sintomas do refluxo, gerando ainda mais pressão sobre o esfíncter e atrapalhando a digestão correta. Por isso, recomenda-se ingerir pequenas porções durante as refeições diárias.

E quais alimentos evitar?

Além de incluir em sua dieta os itens que amenizam os sintomas, é importante evitar alguns tipos de alimentos para obter sucesso no tratamento do refluxo. As frituras, com óleos vegetais, são altamente prejudiciais, assim como todos os alimentos processados. Chocolate, açúcar e adoçantes também não são recomendados.
+ Como o açúcar afeta nosso cérebro?
Bebidas alcóolicas, refrigerantes e energéticos devem ser evitados em indivíduos com refluxo. Milho, batata, tomate e alguns grãos também podem piorar os sintomas, por isso recomenda-se evitar a ingestão destes alimentos.
Caso o refluxo gastroesofágico seja persistente por mais de duas vezes na semana em longos períodos, é recomendada a busca por ajuda médica com um profissional capacitado, para dar um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento adequado para cada caso.

Read More

Como funciona o plano de saúde familiar? Tire suas dúvidas!

Os planos de saúde são sempre uma boa escolha para trazer proteção, bem-estar e saúde para a família. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), o plano de saúde fica atrás apenas da educação e da casa própria na lista das conquistas mais desejadas pelos brasileiros. Por isso, a busca por planos de saúde familiar cresce de forma expressiva em todo o país.
Vários motivos fazem os planos de saúde familiar apresentarem tanta procura. Ampla rede credenciada de hospitais, maternidade e clínicas, diferentes especialidades médicas e ambulatoriais, atendimento de qualidade e muito mais. Com a contratação dos planos familiares, sua família terá à disposição hospitais de qualidade, laboratórios modernos e os melhores profissionais de cada área.
Outro ponto positivo é sobre o custo-benefício da modalidade. Os reajustes deste tipo de plano de saúde são limitados e analisados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), tornando o serviço um investimento seguro para você e sua família, sem risco de reajustes abusivos e que podem comprometer as finanças familiares.
Mesmo com todas as vantagens, muitas pessoas ainda hesitam na hora de contratar um plano de saúde familiar. Confira neste artigo os principais pontos para conhecer tudo sobre o assunto e as vantagens da contratação deste serviço.
+ Plano de saúde familiar: 5 vantagens de contratar um

Número máximo de beneficiários

Um dos principais questionamentos acaba sendo em relação ao número de beneficiários. E a resposta é excelente: não há uma quantidade máxima de pessoas que podem aderir a um plano de saúde familiar. Isso mostra que essa modalidade é uma das mais flexíveis disponíveis, pois permite a inclusão de novos membros quando necessário, sempre de acordo com as normas previstas em contrato.
Além disso, famílias com um número maior de pessoas são beneficiadas financeiramente, pois quanto mais gente, mais a mensalidade do plano de saúde familiar para cada membro existente irá diminuir.

Cobertura abrangente em todo o país?

Uma das grandes vantagens do plano de saúde familiar é oferecer uma cobertura válida para todo o território nacional e até mesmo fora do país. Quando a família costuma viajar muito, seja a trabalho ou apenas a lazer, a cobertura do plano de saúde é essencial para trazer tranquilidade e conforto.
Além disso, muitos filhos saem de casa para estudar em outras cidades e estados, e por isso a importância de mantê-los seguros e protegidos com a abrangência nacional do plano de saúde familiar. Seja onde a família estiver, o plano de saúde irá garantir o melhor atendimento para todos.

Praticidade e agilidade

Além de oferecer a melhor rede de hospitais, clínicas, laboratórios e médicos, o plano de saúde familiar também se destaca por agilizar e garantir agendamentos e marcações de forma rápida, diminuindo consideravelmente o tempo de espera para atendimento. No caso de crianças e idosos, é uma condição que traz ainda mais bem-estar e conforto.
Com um plano de saúde familiar de qualidade e a acessibilidade para saber onde estão os médicos e hospitais mais próximos de sua região, você poderá se dirigir ao local com a certeza de que será bem atendido, principalmente em emergências.

Há suporte para crianças e adolescentes?

A saúde dos filhos é sempre a prioridade dos pais em todas as situações e épocas de suas vidas. Por isso, os planos de saúde familiar oferecem suporte para crianças e adolescentes, que não frequentam os médicos apenas diante de algum problema de saúde, mas sim em consultas periódicas para acompanhar todas as fases de desenvolvimento.
+ Plano de saúde familiar oferece suporte a crianças e adolescentes?
Passando pela pediatria com muitas consultas e exames, chegando até a adolescência onde são percebidas diversas mudanças, inclusive hormonais e emocionais, essas fases da vida necessitam sempre de uma atenção especial. Por isso, a cobertura completa e a qualidade no atendimento do plano de saúde familiar com certeza vão fazer a diferença para seus filhos.

Como funciona a cobertura na gravidez?

Contar com um plano de saúde familiar durante a gravidez é essencial para ter uma gestação tranquila e preparar a chegada do novo membro da família da melhor forma possível. O acompanhamento médico é essencial durante a gravidez, para conferir a saúde e o crescimento do bebê.
+ Veja quatro vantagens de ter um plano de saúde na gravidez
O plano de saúde familiar garante toda a assistência necessária no pré-natal, com profissionais especializados e atendimento diferenciado em consultas, exames e procedimentos, até o parto. Além disso, o bebê poderá ser incluído no plano conforme previsão em contrato e aproveitar toda a cobertura do serviço.

Procure uma operadora de confiança

A Unimed Cascavel preza pela qualidade do plano de saúde familiar, oferecendo o melhor suporte e rede credenciada altamente qualificada e preparada para atender sua família da maneira que ela merece. Hoje em dia, com a facilidade do acesso às informações, é possível pesquisar tudo sobre as operadoras e planos de saúde oferecidos no mercado. Não caia em armadilhas, saúde é coisa séria.
+ Plano de saúde familiar: saiba o que observar antes de contratar um

Read More

A importância de se vacinar contra o Coronavírus

O novo coronavírus já infectou milhões de pessoas ao redor do mundo, vitimou mais de 3 milhões de indivíduos e forçou os países a adotarem medidas sanitárias e restritivas para tentar conter a disseminação do vírus e frear a pandemia.
O nome “coronavírus” remete a forma desses organismos que é similar a uma coroa e denomina um grande grupo de vírus, já conhecido e identificado. 
A doença identificada em Wuhan, na China, no final de 2019, foi denominada SARS-coV-2. O número 2 indica que o vírus é similar ao SARS-coV, responsável pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (em Inglês – Severe Acute Respiratory Syndrome – SARS),  que provocou uma epidemia em diversos países em 2002.
A transmissão da COVID-19 se dá através de:

  • espirro, tosse, catarro ou gotículas de saliva;
  • contato físico como aperto de mão, beijo, abraço;
  • contato com superfícies contaminadas, por exemplo: maçanetas, corrimãos, mesas, telefones, canetas etc.

Ainda não há comprovação científica de que as gestantes possam transmitir o coronavírus para o bebê. O mesmo ocorre com as lactantes, pois não há evidências de que a doença possa ser transmitida pelo leite materno. Porém, as precauções devem ser mantidas e a mãe deve usar máscara ao amamentar e lavar as mãos com água e sabão antes de cada mamada.
Os sintomas mais comuns da COVID-19 são febre alta entre 37.8°C e 40°C, tosse geralmente seca e cansaço. Em casos mais graves, os sintomas são falta de ar ou dificuldade para respirar, pressão ou dor no peito e perda da fala ou capacidade motora. 
Além desses, outros sintomas menos comuns foram identificados como tensão e dor muscular, dor de garganta, diarreia, conjuntivite, dor de cabeça, perda do paladar ou olfato, irritação na pele ou descoloração dos dedos dos pés, ou das mãos.
Para diminuir a circulação do novo coronavírus, impedir que mais pessoas sejam infectadas nesta pandemia e sobrecarregue o sistema de saúde pública, algumas precauções devem ser seguidas: 

  • lavar bem as mãos com água e sabão ou álcool em gel;
  •  cobrir o nariz e a boca ao espirrar – usando um lenço de papel ou o cotovelo flexionado;
  • não compartilhar objetos pessoais como talheres, copos e pratos;
  • usar máscaras;
  • manter os ambientes bem ventilados;
  • evitar aglomerações;
  • evitar contato próximo com pessoas que estejam com sintomas de gripe (tosse e febre).

As vacinas contra a COVID-19

A rápida disseminação do coronavírus  e o aumento da letalidade da pandemia, forçaram os cientistas a buscarem uma cura em um período recorde. Em geral, para se desenvolver uma vacina – que seja eficaz e seguindo os  padrões de qualidade e protocolos éticos – leva-se uma década ou mais. 
Segundo a Organização Mundial de Saúde, existem mais de 200 imunizantes sendo estudados no mundo e outros 13 já foram aprovados. No Brasil, as vacinas que estão disponíveis para a vacinação pelo Plano Nacional de Imunização são: a CoronaVac, produzida em parceria com a Sinovac (farmacêutica chinesa) e o Instituto Butantan; a AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford (no Reino Unido) e a Fiocruz e a vacina da Pfizer, desenvolvida em conjunto com a BionTech (EUA/Alemanha).
A vacina Sputinik V, desenvolvida pelo laboratório Gamaleya, da Rússia, ainda não tem registro para testes clínicos no Brasil, segundo a ANVISA. Mas o Instituto de Tecnologia do Paraná e a União Química, estão realizando acordos com o governo russo para a produção dessa vacina no Brasil.

Como as vacinas funcionam

Nosso corpo tem muitas formas de se defender de organismos que causam doenças, os chamados agentes patogênicos. Nossas barreiras naturais, como a pele e as mucosas, por exemplo, funcionam para evitar que esses agentes entrem no nosso corpo.
Quando um agente patogênico invade nosso corpo, o nosso sistema de defesa (o sistema imunológico) entra em ação para produzir uma defesa (anticorpos), para proteger o nosso organismo, atacando e destruindo o invasor. 
Dessa forma, o corpo cria uma “memória” de anticorpos, que permanecem vivos mesmo após o invasor ter sido derrotado. Assim, se o corpo for novamente exposto ao agente patogênico – que pode ser um fungo, bactéria ou vírus -, o sistema imunológico responde muito mais rápido do que a primeira vez, porque as células de memória já estão preparadas. 
O corpo reage da mesma forma com a vacina. Algumas das vacinas têm partes enfraquecidas ou inativas de um determinado antígeno, para que o organismo possa produzir uma defesa imunológica. Porém, a aplicação de vírus enfraquecido não causa a doença, apenas desafia o sistema imunológico a enviar uma resposta, como se fosse a primeira vez em contato com o antígeno verdadeiro.
Atualmente existem quatro tipos de tecnologia para o desenvolvimento das vacinas:

  • Vacina de vírus atenuado (enfraquecido)  ou inativo (morto): método tradicional que utiliza o próprio vírus para produzir uma resposta imunológica;
  • Vacina de vetor viral: utiliza outro vírus, modificado geneticamente, para produzir proteínas virais no organismo, sem causar a enfermidade e estimular uma resposta imunológica;
  • Vacina a partir de proteína: nesta modalidade se utiliza uma proteína do vírus ou parte dela, ou proteínas que se assemelham a estrutura do vírus, como seu revestimento externo, para forçar a resposta do sistema imunológico;
  • Vacina de RNA e DNA: possuem RNA ou DNA do vírus geneticamente modificado para produzir uma proteína, que em contato com o organismo, produz uma resposta de defesa segura.

 

Por que é preciso tomar duas doses da vacina?

Algumas vacinas necessitam de várias doses com intervalos de semanas ou meses. Isso acontece porque o corpo precisa de um tempo para produzir anticorpos de longa vida e células de memória. Dessa forma, o corpo fica treinado para reagir e combater a doença, reforçando a memória das células, caso o corpo entre em contato novamente com o agente patogênico, desenvolvendo uma resposta mais rápida no futuro.
Para enfrentar a pandemia no Brasil, as vacinas estão sendo disponibilizadas somente através do Sistema Único de Saúde (SUS). As vacinas que necessitam de duas doses são: AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BionTech e CoronaVac/Butantan. Somente a vacina da Janssen/Johnson&Johnson requer apenas uma dose.
Tomar as duas doses da vacina é importante, porque quanto mais pessoas estiverem vacinadas, menor a circulação do vírus na população. As doses de reforço servem também para proteger as pessoas que ainda não podem ser vacinadas, como as crianças ou aquelas que têm o sistema imunológico vulnerável, como portadores de HIV. As pessoas nessas condições ficam mais protegidas se viverem entre outras que já foram vacinadas. 
Por isso, fique atento à data da segunda dose e compareça ao centro de saúde para efetivar sua vacinação.
 

Cuidados pós-vacina

Independente de qual vacina você tomar, uma ou duas doses, ainda não é possível relaxar com os cuidados com a higiene e o distanciamento social.
Em geral, o corpo leva duas semanas após a vacinação, para desenvolver uma resposta imune ao vírus. Por isso, você deve continuar mantendo todos os cuidados de prevenção como usar máscara cobrindo o nariz e a boca, higienizar as mãos com água e sabão ou álcool em gel, manter o distanciamento social e desinfetar superfícies e objetos.
Além disso, existe um processo natural que é a mutação do vírus, que se adapta a novos ambientes e se torna mais transmissível e mais grave. Dá-se o nome de mutação, quando o vírus faz cópias de si mesmo e, às vezes, apresentam alguma mudança. Um vírus com uma ou mais mutações é chamado de variante. Até agora, quatro tipos de variantes do novo coronavírus vêm sendo estudadas e pesquisadas. São elas:

  • Alfa: do Reino Unido encontrada em 118 países;
  • Beta :da África do Sul  encontrada em 64 países ;
  • Gama: do Brasil/Japão encontrada em 38 países.
  • Delta: da Índia encontrada em mais de 90 países

Por isso, é importante continuar com os protocolos de distanciamento e higienização das mãos e superfícies, mesmo no período pós-vacina. Veja abaixo algumas das dúvidas mais comuns sobre o período pós-vacina:

Após a primeira dose da vacina, eu já estou imunizado?

Não. Para as vacinas CoronaVac e AstraZeneca deve-se respeitar o período de 14 dias após a segunda dose, para garantir a imunização. Por isso, após receber a primeira dose da vacina você ainda deve manter os cuidados de higiene e distanciamento social. Caso contraia Covid-19 neste intervalo, espere passar a fase aguda da doença e respeite o tempo de isolamento social, para depois receber a segunda dose.

Quais os efeitos colaterais da vacina?

De modo geral, não existe efeito colateral grave, porém algumas pessoas podem ter reações no local da aplicação da vacina (como dor, vermelhidão, inchaço e alteração de sensibilidade) ou reações pelo corpo (como dor de cabeça, calafrios, fadiga, febre e náuseas).

Após a vacinação, eu ainda posso contrair Covid-19?

Sim. As vacinas disponíveis ajudam a reduzir os casos sintomáticos da doença e suas formas mais graves. Em meio a emergência da pandemia, isso ajuda a diminuir o número de internações hospitalares, ajudando a saúde pública e reduzindo o número de óbitos pela doença.

Posso sair sem máscara?

Não. O uso da máscara ainda é necessário, mesmo que você já tenha tomado as duas doses da vacina. Continuar com os cuidados é importante, principalmente devido às variantes da Covid-19, que podem se espalhar e causar uma nova pandemia, pode ser ainda mais letal.
 

Read More

Como o sono influencia na nossa saúde

A qualidade do sono é um fator essencial para uma vida saudável. É por meio dele que você abastece a energia para as tarefas do dia a dia. Além de ditar o ânimo da rotina, o sono tem grande responsabilidade na manutenção da saúde física e mental. 
De acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Sono (ABS), 73 milhões de brasileiros sofrem de insônia. Esses números se intensificaram durante a pandemia do coronavírus, tanto que a palavra “insônia” foi mais buscada no Google em 2020 do que nos anos anteriores. Com a mudança na rotina, o isolamento social e mais tempo em casa, o sono também foi afetado. Para quem passou por período de home office, as atividades laborais foram tomando conta da casa: na cozinha, na sala ou no quarto, o rodízio de lugares para trabalhar vão mudando conforme os dias passam. A técnica é muito recomendada por profissionais especialistas, mas há restrição quanto ao uso do quarto para exercer o trabalho, pois o cérebro humano entende que ali é um local de descanso. Quando você começa a levar trabalho para a cama, isso começa a se confundir, podendo levar a episódios de insônia e ansiedade. Essa pode ser, inclusive, uma das razões pelas quais você se sente mais cansado (a) e indisposto (a) durante o período de trabalho.
+ Dicas para se sair bem no home-office
Abaixo, a Unimed Cascavel destaca os principais motivos da insônia, dicas para melhorar a qualidade do seu sono e a importância disso para a sua saúde. Confira:
 

Hábitos que prejudicam a qualidade do sono

É importante entender que insônia não é doença, mas um sintoma. É a manifestação de que algo não anda bem e deve ser investigado. A causa principal são hábitos prejudiciais que podem comprometer a qualidade do sono inicial (antes de adormecer) ou durante a noite. Confira a lista com alguns hábitos atrapalham uma boa noite e de sono e veja se você costuma cometê-los:

  • Uso do celular pouco tempo antes de dormir: A exposição noturna à luz do celular prejudica o sono por conta da iluminação proveniente da tela. A luz azul corta a secreção de melatonina, hormônio que age diretamente nos padrões de sono. Além disso, o celular induz a pessoa a se manter ativa e agitada, evitando que o cérebro entre em estado de descanso e relaxamento.
  • Cafeína em excesso: Os brasileiros não resistem a um cafezinho, certo? Mas é preciso estar atento aos altos níveis de cafeína no organismo. O excesso de café estimula a insônia e ainda pode agravar casos de ansiedade. O consumo seguro diário para adultos sem sensibilidade à cafeína é de, no máximo, 400 mg, o que equivale a cerca de 6 mg de cafeína por quilo de peso corporal.
  • Sedentarismo: A prática moderada e constante de exercícios físicos pode auxiliar no controle do sono, pois libera hormônios como a endorfina, que estimula o bem-estar.
  • Consumo de notícias ruins: Na pandemia do coronavírus, aumentou o consumo de notícias ruins. O medo da infecção e a perda de amigos e familiares também incitou os casos de insônia, pois elevou no organismo os níveis de cortisol (hormônio do estresse). Além disso, a ansiedade prejudica o adormecer e a constância do sono. Manter-se informado é muito importante, mas também é preciso reconhecer quando a quantidade de notícias prejudica o seu bem-estar. Caso se sinta muito afetado (a), não tenha receio em dar uma pausa. 
  • Ambiente bagunçado ou sujo: O corpo humano se adapta ao ambiente, reconhece texturas, cheiros, cores e reage positiva ou negativamente diante de cada uma dessas situações. Se você mantém o quarto muito bagunçado e/ou sujo, pode ser mais propenso a ter insônia (devido ao excesso de estímulos ao cérebro). Para garantir uma boa noite de sono, mantenha o ambiente sempre limpo e organizado para trazer a sensação de tranquilidade e descanso.
  • Uso de álcool: Ingerir bebida alcoólica à noite pode ajudar a adormecer, mas prejudica a qualidade do sono. O álcool altera os ciclos do sono e não permite que você chegue à etapa mais profunda (em que ocorrem os sonhos). Se o consumo for constante, pode causar insônia. Por isso, evite a ingestão contínua de bebidas alcoólicas. 

 

Qual a importância do sono equilibrado para a saúde?

Você já sabe que o sono auxilia no controle do humor, mas sabia que ele é também responsável pela saúde física e mental, interferindo até na perda ou ganho de peso? Não dormir o suficiente tem sido relacionado à falta de libido, ao ganho de massa corporal, à pressão alta, ao sistema imunológico enfraquecido, à paranoias e às alterações de humor, à depressão e ao maior risco de alguns tipos de câncer, bem como demência, diabetes, derrame e doenças cardiovasculares. 
+ Insônia: alimentos e hábitos para dormir melhor
Por outro lado, um sono equilibrado pode proporcionar diversos benefícios à saúde em geral, como o fortalecimento do sistema imunológico, a produção de hormônios de bem-estar, consolidação da memória, redução do estresse, melhora da concentração e da disposição. Por isso, fique ligado (a) ao tempo de sono recomendado conforme sua faixa etária:

  • Bebês: 12 a 16 horas
  • Crianças: de 9 a 13 horas
  • Adolescentes: de 8 a 10 horas
  • Adultos: de 7 a 8 horas

Higiene do sono

Especialistas recomendam uma série de hábitos chamados de “higiene do sono”. O termo se refere às maneiras de treinar o cérebro para reconhecer a hora de adormecer (e de continuar dormindo).
+ Meditação: saiba como ela auxilia no combate à ansiedade e aprenda a praticar
Aqui vão algumas dicas que podem ajudar na hora de adormecer e minimizar a insônia:

  • Caso tenha o costume de pensar muito em situações do passado ou do futuro, procure escrever esses pensamentos em um papel antes de ir para a cama. Dessa forma, o cérebro entenderá que “descarregou” e, então, dará espaço para uma mente mais tranquila.
  • Mantenha o ambiente escuro, evitando luzes fortes.
  • Afaste-se das telas (computador, celular, televisão) pelo menos duas horas antes de dormir.
  • Evite comidas pesadas perto da hora do sono.
  • Mantenha um horário regular para ir para a cama e treine o seu cérebro para entender que aquele horário é reservado para o descanso. Com constância, ele começará a sentir sono sozinho.
  • Crie um ritual noturno que ajude o seu corpo a relaxar. Coisas simples, como tomar um banho ou um chá, ajudam o corpo a descansar e fazer pausas.

 
Compartilhe esse artigo com alguém que precisa saber disso. Dúvidas ou sugestões, escreva para a gente!

Read More

Conheça as principais consequências do consumo excessivo de álcool

O consumo excessivo de álcool é prejudicial para o organismo em diversas formas. Além de contribuir para o desenvolvimento de doenças físicas, também pode agravar o quadro de transtornos psicológicos, como a ansiedade e a depressão. Entender as consequências do uso dessas substâncias é essencial para estimular um debate mais profundo sobre saúde física e mental, a fim de conscientizar sobre o consumo consciente.

Qual a quantidade recomendada para o consumo moderado de álcool?

Não existe uma quantidade comprovadamente segura para o consumo de álcool. Isso porque o uso moderado também pode trazer problemas à saúde. Ainda assim, considerando o consumo moderado, a OMS recomenda que homens e mulheres não excedam duas doses por dia, e que não ultrapassem o limite de 5 dias por semana. Como uma dose, entenda uma lata (330 ml) de cerveja, uma taça (100 ml) de vinho ou um copo (30 ml) de destilado.
+ Álcool na adolescência: como lidar com o problema?
 

Quais as principais doenças causadas pelo excesso de álcool?

A bebida alcoólica é pobre nutricionalmente, ou seja, não traz nenhum benefício para o organismo. Por conta disso, ela pode gerar doenças crônicas e comprometer o funcionamento de alguns órgãos. Confira abaixo as principais doenças causadas pelo consumo de álcool:
> Cirrose
O fígado é o responsável por metabolizar os nutrientes de tudo o que comemos e bebemos. Beber demais sobrecarrega o órgão, o que altera o metabolismo dos triglicerídeos, gerando um acúmulo de gordura no fígado, doença chamada de esteatose hepática alcoólica.
Além disso, até 40% das pessoas diagnosticadas com fígado gorduroso desenvolvem cirrose, inflamação crônica irreversível do órgão, que altera sua capacidade de funcionar adequadamente.
 
> Obesidade
O consumo de álcool é inimigo da perda de peso. Sua alta taxa calórica contribui para o aumento dos casos de obesidade, pois estimula o acúmulo de gordura corporal. 1 grama de carboidrato ou proteína tem, mais ou menos, 4 calorias, enquanto a mesma de álcool tem 7 calorias. Uma lata de cerveja, por exemplo, fornece cerca de 150 calorias, praticamente o mesmo que um pão francês.
+ Quais problemas à saúde a obesidade pode trazer?
 
> Câncer
Segundo a OMS, vários tipos de tumores estão relacionados ao consumo de bebidas por um período prolongado, como o câncer de mama, boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, fígado e intestino. Além de ter um efeito cancerígeno, quando chega ao intestino, o álcool pode funcionar como solvente, facilitando a entrada de outras substâncias carcinogênicas para dentro das células.
 
> Depressão
Embora traga uma falsa sensação de bem-estar, o álcool é uma substância depressora do sistema nervoso central. Seu consumo exagerado afeta diretamente o humor e contribui para a redução de células no cérebro, o que pode levar a quadros depressivos. 
Consumir álcool para evitar emoções negativas faz com que ignoremos aquele sentimento temporariamente. Mas, quando o efeito da substância alcoólica passa, as emoções negativas são potencializadas, sendo sentidas de maneira excessiva, podendo estimular crises e aumentar o nível de cortisol no organismo (o hormônio do estresse).
 
> Comprometimento do desempenho sexual
A ingestão de bebidas alcoólicas pode trazer uma falsa sensação de melhora no desempenho sexual, porém o uso abusivo de álcool diminui a excitação e a capacidade de ereção nos homens. Nas mulheres, ocorre um fenômeno parecido: há diminuição fisiológica da excitação genital induzida pelo álcool em altas dosagens. 
O consumo crônico e a dependência de álcool estão relacionados a disfunções sexuais como disfunção erétil, desejo sexual hipoativo e ejaculação precoce ou retardada.

Consumo de álcool e a quarentena

De acordo com a matéria publicada pela revista Exame, o consumo de álcool aumentou drasticamente durante o isolamento social, medida preventiva por conta da pandemia do Coronavírus. Esse excesso se deu por conta da ansiedade ao redor das incertezas ao redor de temas como vacina, número de mortes e infectados, mas principalmente pelo desejo de bloquear emoções negativas e falta de atividades prazerosas. 
+ Covid-19: Confira quatro opções de lazer para a quarentena
No Brasil, a ansiedade das pessoas também fez aumentar o consumo de álcool. Segundo uma pesquisa feita pela Unicamp com a Fiocruz e a UFMG, 18% dos brasileiros andam bebendo mais do que antes da quarentena.
Para evitar o consumo excessivo de álcool durante o período de isolamento é preciso inserir na rotina atividades que estimulem os níveis de serotonina (neurotransmissor responsável por regular o humor). Praticar atividades físicas e se manter em contato com tarefas prazerosas (pintura, desenho, etc) pode ajudar a evitar o alto uso de substâncias alcoólicas.
 
Se você está ou conhece alguém que esteja passando por uma dependência química, procure ajuda de amigos, familiares ou profissionais para evitar o desenvolvimento de doenças ainda mais graves. Para dúvidas ou sugestões, escreva para a Unimed.

Read More

Infecções Sexualmente Transmissíveis: guia básico para prevenção

As infecções sexualmente transmissíveis (IST), popularmente conhecidas também como DST’s, são infecções causadas por vírus, bactérias ou outros micróbios que se transmitem, principalmente, através das relações sexuais sem o uso de preservativo, envolvendo uma pessoa que esteja infectada. A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passou a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas.
Ainda existem muitos tabus a serem combatidos ao redor das IST’s. Isso por conta da desinformação ao redor do tema, o que pode levar ao aumento dos casos de infecção e preconceito com pessoas infectadas. Além disso, é preciso fazer um recorte de classe e gênero para entender como a doença se manifesta diferentemente entre esses grupos. Para evitar que isso aconteça, nós elaboramos um guia completo para você entender o que são as IST’s, como prevenir e quais os tratamentos disponíveis.
+ Os avanços no tratamento e a importância da prevenção contra o HIV
 

Como se dá a infecção por uma IST?

As infecções sexualmente transmissíveis se dão através do contato sexual com uma pessoa infectada. Elas são transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha masculina ou feminina, com uma pessoa que esteja infectada. Além disso, a transmissão de uma IST também pode ser genética, passando da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação. De maneira menos comum, as IST’s também podem ser transmitidas por meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.
A infecção pode ainda ocorrer por compartilhamento de seringas e outros objetos cortantes, como alicates, ou por transfusão de sangue.
Em entrevista para a BBC News Brasil, o professor de Infectologia da Unesp, Alexandre Naime Barbosa, afirma que existe uma preocupação com a forma que a nova geração encara as IST’s. A noção de que a Aids, por exemplo, se tornou uma doença crônica e tratável fez a adesão à camisinha diminuir muito, segundo ele. Por isso, é preciso estar atento às formas de prevenção.
 

Como prevenir?

Prevenir é a melhor forma de combater as infecções sexualmente transmissíveis. É uma forma mais saudável, rentável e fácil de se cuidar e cuidar dos outros, além de interromper a cadeia de transmissão. Para isso, é preciso apostar em métodos de prevenção e estar atento a eles. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a camisinha ainda é um dos métodos mais efetivos para prevenir as infecções. Mas, é importante lembrar: seu uso é válido tanto para homens, quanto para mulheres. 

  • Use camisinha: a camisinha é o principal dispositivo de proteção contra diversas DSTs, como Aids, sífilis e alguns tipos de hepatite, e deve ser usada em todas as relações sexuais (oral, anal e vaginal), sendo masculina ou feminina. O ideal é usá-la com gel lubrificante, para diminuir o atrito e o risco de rompimento. No caso do sexo oral, o uso é essencial, pois há risco de transmissão de HPV, hepatites B e C, clamídia, gonorreia e HIV. Guarde a camisinha sempre em local sem atritos, objetos que possam perfurá-la e ao abrigo do calor e fique atento à data de validade. Importante lembrar que as unidades de saúde do SUS disponibilizam unidades gratuitamente.
  • Cuide de sua higiene pessoal: exija equipamentos descartáveis ou esterilizados em consultórios médicos, odontológicos e de acupuntura. Essa regra também vale para barbearias, salões de manicure, estúdios de tatuagem e estética. Não compartilhe lâminas de barbear ou escovas de dentes.
  • Evite o uso de drogas injetáveis: o compartilhamento de seringas pode levar à infecção, além dos danos à saúde que o uso de substâncias químicas pode causar.
  • Mantenha seus exames em dia: algumas IST’s podem não apresentar sintomas, tanto no homem quanto na mulher. Por isso é muito importante manter exames ginecológicos periodicamente, pois nos casos assintomáticos é a única forma de descobrir a doença e tratá-la. Essas infecções, quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves, como infertilidades, câncer e até mesmo a morte. Cuide-se e cuide dos outros.
  • Vacine-se: o SUS disponibiliza, gratuitamente, vacinas contra HPV e Hepatite B. Mantenha a sua carteirinha em dia e proteja-se. 

+ 4 exames de rotina que os adolescentes devem fazer

Quais são as principais doenças sexualmente transmissíveis?

Confira abaixo as principais doenças sexualmente transmissíveis, de acordo com texto divulgado pelo Governo Federal:

Aids

Primeiramente, vamos estabelecer a diferença entre AIDS e HIV. 
HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o vírus causador da AIDS, que ataca células específicas do sistema imunológico, responsáveis por defender o organismo contra doenças. Ao contrário de outros vírus, como o da gripe, o corpo humano não consegue se livrar do HIV. Ter HIV não significa que a pessoa desenvolverá AIDS; porém, uma vez infectada, a pessoa viverá com o HIV durante toda sua vida. Não existe vacina ou cura para infecção pelo HIV, mas há tratamento.
Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é a doença causada pelo HIV, que ataca células específicas do sistema imunológico, responsáveis por defender o organismo de doenças. Em um estágio avançado da infecção pelo HIV, a pessoa pode apresentar diversos sinais e sintomas, além de infecções oportunistas (pneumonias atípicas, infecções fúngicas e parasitárias) e alguns tipos de câncer. Sem o tratamento antirretroviral, o HIV usa essas células do sistema imunológico para replicar outros vírus e as destroem, tornando o organismo incapaz de lutar contra outras infecções e doenças.
Cerca de 866 mil pessoas vivem com HIV no Brasil e, a cada ano, são registrados cerca de 40 mil novos casos de HIV, principalmente entre os jovens. Muitas pessoas ainda desconhecem o seu status sorológico; por isso, é necessário que todos os indivíduos com vida sexual ativa façam a testagem regular para o HIV.

Fonte: http://www.aids.gov.br/
 

Cancro Mole

O cancro mole pode ser chamado de cancro venéreo, mas o seu nome mais popular é “cavalo”. Provocado pela bactéria Haemophilus ducreyi, é mais frequente nas regiões tropicais, como o Brasil.
Os primeiros sintomas costumam aparecer cerca de 15 dias depois da infecção, sendo eles: dor de cabeça, febre e fraqueza. Depois, surgem pequenas feridas com pus nos órgãos genitais, que aumentam progressivamente de tamanho e profundidade. 
Após duas semanas do início da doença, pode aparecer um caroço doloroso e avermelhado na virilha, que pode dificultar os movimentos da perna. Esse caroço pode drenar uma secreção purulenta esverdeada ou misturada com sangue.
Nos homens, as feridas aparecem na cabeça do pênis (glande). Na mulher, ficam na vagina e/ou no ânus. Nem sempre, a ferida é visível, mas provoca dor na relação sexual e ao evacuar.

Clamídia e Gonorreia

Clamídia e gonorreia são infecções causadas por bactérias que podem atingir os órgãos genitais masculinos e femininos. A clamídia é muito comum entre os adolescentes e adultos jovens, podendo causar graves problemas à saúde. A gonorreia pode infectar o pênis, o colo do útero, o reto (canal anal), a garganta e os olhos. Quando não tratadas, essas doenças podem causar infertilidade (dificuldade para ter filhos), dor durante as relações sexuais, gravidez nas trompas, entre outros danos à saúde.
Nas mulheres, pode haver dor ao urinar ou no baixo ventre (pé da barriga), aumento de corrimento, sangramento fora da época da menstruação, dor ou sangramento durante a relação sexual. Entretanto, é muito comum estar doente e não ter sintoma algum. Por isso, é recomendável procurar um serviço de saúde periodicamente, em especial se houve sexo sem camisinha. Nos homens, normalmente há uma sensação de ardor e esquentamento ao urinar, podendo causar corrimento ou pus, além de dor nos testículos. É possível que não haja sintomas e o homem transmita a doença sem saber. Para evitar, é necessário o uso da camisinha em todas as relações sexuais.
 

Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

A doença inflamatória pélvica (DIP) pode ser causada por várias bactérias que atingem os órgãos sexuais internos da mulher, como útero, trompas e ovários, causando inflamações.
Essa infecção pode ocorrer por meio de contato com as bactérias após a relação sexual desprotegida. A maioria dos casos ocorre em mulheres que têm outra IST, principalmente gonorreia e clamídia não tratadas. Entretanto, também pode ocorrer após algum procedimento médico local (inserção de DIU – Dispositivo Intra-Uterino, biópsia na parte interna do útero, curetagem).
 

Donovanose

É uma infecção causada pela bactéria Klebsiella granulomatis, que afeta a pele e mucosas das regiões da genitália, da virilha e do ânus. Causa úlceras e destrói a pele infectada. É mais frequente em pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica e higiênica. 
 

Hepatites virais

Grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, a hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.
São subcategorizadas por: Hepatite A, B, C, D e E. No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. 
 

Herpes

É uma doença causada por um vírus que, apesar de não ter cura, tem tratamento. Seus sintomas são geralmente pequenas bolhas agrupadas que se rompem e se transformam em feridas. Depois que a pessoa teve contato com o vírus, os sintomas podem reaparecer dependendo de fatores como estresse, cansaço, esforço exagerado, febre, exposição ao sol, traumatismo, uso prolongado de antibióticos e menstruação. Em homens e mulheres, os sintomas geralmente aparecem na região genital (pênis, ânus, vagina, colo do útero).
 

Sífilis

É uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Pode se manifestar em três estágios, e os maiores sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença.
Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má formação do feto e/ou morte ao nascer. 
Fonte: Grupo de incentivo à Vida (http://giv.org.br/ist)
+ Conheça o HPV, vírus que preocupa os jovens

Tratamentos 

Cada IST tem um tratamento específico, dependendo muitas vezes do tipo de infecção que se trata. As ISTs podem ser causadas por bactérias, fungos ou vírus, e muitas delas não apresentam sintomas. Com isso, é fundamental realizar exames de rotina, além de usar o preservativo para barrar a contaminação.
Entre as gestantes, o não tratamento de ISTs pode gerar abortos espontâneos, natimortos, baixo peso ao nascer, infecção congênita e perinatal. Por isso é importante reforçar que a prevenção é a melhor e mais eficaz forma de cuidado.
Para saber qual é o procedimento indicado no caso de qualquer doença, é preciso que ela seja identificada por um médico. O diagnóstico precoce pode ser muito útil para o processo de tratamento, sendo recomendado consultar um especialista assim que aparecer qualquer sintoma, além de realizar os exames de rotina.

Read More

Síndrome do ovário policístico: saiba se você tem

A síndrome do ovário policístico é um distúrbio hormonal muito comum, que pode causar inconvenientes simples, como irregularidade menstrual e acne, até disfunções mais graves, como obesidade e infertilidade. 
É importante pontuar que ter ovários policísticos não é sinônimo de sofrer com a Síndrome do Ovário Policístico (SOP) e seus sintomas. A síndrome só é diagnosticada se há aumento de hormônios masculinos no corpo da mulher e um período menstrual irregular. Ou seja: a presença de vários cistos no ovário não configura, por si só, a SOP, mas pode ser um dos sintomas. Confira abaixo o que é a SOP e como tratá-la.
 

O que é a Síndrome do Ovário Policístico (SOP)?

Os ovários são os órgãos responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos e por acolher os óvulos que a mulher traz consigo desde o ventre materno. Dentro deles, as mulheres podem desenvolver cistos, isto é, pequenas bolsas que contêm material líquido ou semissólido. Estes são os ovários policísticos, que normalmente não têm importância fisiológica, mas que em torno de 10% estão associados a alguns sintomas. A diferença entre cisto no ovário e ovário policístico está no tamanho e no número de cistos.
A síndrome acomete principalmente mulheres entre 30 e 40 anos, e o diagnóstico tornou-se mais preciso com a popularização do exame de ultrassom. Estima-se que no Brasil haja 2 milhões de mulheres nessa condição.
 

Como identificar a Síndrome do Ovário Policístico

O diagnóstico é feito pelo ginecologista a partir da análise dos sintomas apresentados pela paciente e resultado dos exames solicitados, sendo, então, possível iniciar o tratamento adequado que é feito com remédios que têm como objetivo aliviar os sintomas e regular os níveis hormonais. O diagnóstico leva em consideração três fatores: aumento da produção de hormônios masculinos, período menstrual irregular e exames de imagem que comprovem o número de cistos no ovário.
A SOP atinge de 5 a 10% das mulheres em idade reprodutiva. Ela costuma surgir quando a hipófise, a glândula que regula a produção hormonal, acaba estimulando a liberação em excesso de andrógenos.
 

Principais sintomas

Os sintomas da SOP podem variar de acordo com cada mulher e organismo. Porém, de forma geral, os principais sintomas são:

  • Menstruação irregular ou ausência de menstruação;
  • Queda de cabelos;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Aparecimento de pelos no rosto e no corpo;
  • Aumento da oleosidade da pele;
  • Surgimento de acne;
  • Ganho de peso de forma não intencional;
  • Atraso no desenvolvimento das mamas.

É importante ressaltar que, no caso do aparecimento de dois ou mais sintomas, é importante consultar um ginecologista para que seja feita uma avaliação e exames de imagem. 

Quem tem SOP pode engravidar?

Sim, porém existem complicações. Quando existem muitos cistos no ovário (ovários policísticos), em conjunto com o excesso de hormônios masculinos, pode haver a má formação de óvulos saudáveis e, consequentemente, alterar ou interromper o ciclo menstrual, levando à infertilidade. Estudos demonstram que mulheres com ovários policísticos normalmente apresentam maior dificuldade para conseguir engravidar. As complicações ocorrem, principalmente, em mulheres que estão acima do peso, sendo importante fazer o pré-natal adequado, se exercitar e ter uma alimentação saudável para diminuir os riscos de complicações.
Por outro lado, com a ajuda de medicamentos que induzem a ovulação, é possível engravidar sem ajuda médica. Mas, conforme citado anteriormente, é preciso passar por avaliação médica, pois as condições variam de mulher para mulher.
 

Tratamento

Como se trata de uma doença crônica, o tratamento da síndrome do ovário policístico atua nos sintomas. No caso da obesidade, a intervenção é voltada para o emagrecimento. Já para a produção de hormônios masculinos, o tratamento pode se dar através de pílulas anticoncepcionais específicas, atuando também na regulação da menstruação e no controle do crescimento de pelos.
Os casos de infertilidade respondem bem ao clomifeno, um indutor da ovulação. Se isso não acontecer, pode-se estimular os ovários com gonadotrofinas e tratamentos hormonais. Como há tendência ao ganho de peso, o tratamento pode incluir medicamentos para prevenir o diabetes e outros para evitar o colesterol elevado.
É importante ressaltar que nenhum diagnóstico ou tratamento pode ser feito sem o acompanhamento de um médico ginecologista.
Dúvidas ou sugestões? Escreva para a Unimed! 

Read More

Como o açúcar afeta o nosso cérebro?

O consumo de açúcar traz uma sensação imediata de prazer e energia. É, muitas vezes, a válvula de escape das pessoas que sofrem de transtornos como a ansiedade e o estresse. Ao ser consumido, ele altera o funcionamento da dopamina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer, fazendo com o que o nosso corpo entenda aquele momento como algo prazeroso, agradável.

Isso acontece por conta das suas propriedades energéticas, além da sua atuação no sistema nervoso central, mais precisamente no sistema límbico, onde se concentram os estímulos do prazer imediato. Por conta disso, o consumo excessivo de açúcar pode levar à compulsão e à abstinência, de acordo com estudo realizado pela Universidade de Princeton (EUA). Com a ingestão constante, o corpo começa a “pedir” por aquilo, trazendo sintomas de abstinência em magnitude leve.

Para entender melhor como ele atua no nosso organismo, nós reunimos as principais informações e dúvidas sobre o excesso de açúcar e como ele afeta o nosso cérebro. Confira:

O açúcar vicia?

Sim. O açúcar afeta os mensageiros químicos cerebrais como a serotonina (que dá sensação de bem-estar) e a dopamina (recompensa). O efeito é, de maneira bem mais leve, comparado ao vício de drogas e pode causar dependência quando consumido em excesso.
 

Consumir açúcar sempre faz mal?

Não. Existe o consumo saudável para manter o organismo em bom funcionamento. Ao contrário do que se pensa, o açúcar também é parte essencial para a nossa saúde – quando consumido em pequenas quantidades. Ele está presente em diversos tipos de alimentos, tanto os mais saudáveis quanto os não tão benéficos para a saúde. É possível encontrá-lo nas frutas, vegetais e em produtos industrializados.
É importante ter em mente que níveis adequados de glicose no organismo são importantes para o bom funcionamento das atividades cerebrais e metabólicas. Pessoas com quadro de hipoglicemia (quando há diminuição da quantidade normal de glicose) podem ter sérias complicações no sistema cardíaco sem o tratamento adequado. 
Por outro lado, em excesso, o açúcar acaba acumulando no corpo, provocando aumento do peso e sobrecarga no metabolismo. Por isso, é preciso estar atento aos excessos.

Quais tipos de açúcar posso consumir e em qual quantidade?

É preciso ficar atento para não criar uma fobia contra o açúcar. Quando consumido de maneira natural e bem dosada, sua ingestão é benéfica para o organismo, trazendo energia. Os açúcares também estão presentes em legumes, verduras e frutas, não apenas nos doces. Então, precisamos definir que bons açúcares, como os provenientes de alimentos naturais, não são motivo de preocupação, mas sim os alimentos processados, as bebidas adoçadas e aqueles à base de sacarose
 

Como educar a mente para consumir menos açúcar?

Um estudo da Universidade da Califórnia, em Riverside, analisou que uma dieta rica em gorduras e açúcares pode ter efeitos duradouros no microbioma – soma de todos os microorganismos que residem nos tecidos e fluidos humanos. Com isso, a compulsão pode se tornar um vício. Para desfazer esse hábito, existem várias dicas que podemos inserir no dia a dia para diminuir o consumo do açúcar, sendo elas:
• Evite ter doces em casa
Evite manter um estoque à disposição a todo momento, pois o fácil acesso a esse tipo de alimento torna o consumo muito mais regular. Quando sentir muita vontade, vá até uma doceria, coma e volte, sem trazer itens para casa. Esse hábito diminui a tentação e inibe a vontade.
Boas opções são alimentos ricos em proteínas magras, como carne, frango, peixe, iogurte ou ovos, com alto poder de saciedade porque são digeridos lentamente. Além disso, não causam picos de glicose no sangue e ainda fornecem matéria-prima para a construção de massa magra. Invista neles.
• Fuja de alimentos com alto teor de açúcar
Não precisa ser doce para ter grande quantidade de açúcar na composição. Salame, presunto, peito de peru e outros tantos embutidos que são usados como complementos no café da manhã e outras refeições contêm grande quantidade de açúcar. Para parecerem mais saudáveis, portanto, alguns produtos adotam a estratégia de anunciar que são livres de conservantes, maquiando o açúcar em sua composição. Por isso, leia atentamente os rótulos e não se deixe enganar pelas propagandas.
• Prefira alimentos naturais
As frutas, apesar de terem o açúcar natural (frutose), são boas alternativas para driblar a vontade de consumir doces. Nas sobremesas e nos momentos de desejo, dê preferência para esse tipo de alimento, pois o açúcar contido é benéfico para o metabolismo.

Gostou das dicas? Compartilhe com um amigo!

Read More